Indústria de café busca importações para evitar perda nas vendas

DCI / Nayara Figueiredo

São Paulo – A indústria de café solúvel quer importar insumo para evitar uma queda nas vendas do produto final, diante da primeira escassez da matéria-prima registrada no Brasil.

“Venda não feita é dólar que não entra”, afirma o diretor de relações institucionais da Associação Brasileira da Indústria de Café Solúvel (Abics), Aguinaldo José de Lima. A alegação dele reflete a atual preocupação do setor ao ver uma quebra de safra.

Desde meados de agosto, o fechamento das exportações desta agroindústria, para 2017, patina. O motivo é a falta da variedade conilon (robusta) utilizada em 80% do processo produtivo dos solúveis, após uma forte seca nas lavouras do Espírito Santo – líder nacional no cultivo. O grão é necessário nas vendas externas para garantir que haverá oferta para processar e entregar na ponta final.

“Em se tratando de balança comercial, entendemos que os impactos [com a importação] são muito mais positivos do que negativos. Se não buscarmos o produto lá fora, vamos perder market share. Não exportar [o café solúvel] é não agregar valor à cadeia”, justifica Lima. A possibilidade de importação ainda está em discussão na cadeia e será encaminhada ao governo.

Só neste ano, a agroindústria de solúveis deve faturar em torno de US$ 600 milhões com os embarques, um avanço modesto diante dos US$ 596 milhões de 2015. Caso as importações do grão proveniente do Vietnã – maior fornecedor de conilon no mundo – não sejam aprovadas, um novo resultado positivo em 2017 deixa de ser uma certeza.

Dentre os principais compradores do produto brasileiro neste segmento estão Estados Unidos, Rússia, Japão e alguns países europeus. Na contramão, Índia, Vietnã e Alemanha são os concorrentes que podem abocanhar uma eventual fatia de mercado deixada pelo Brasil.

Questionado pelo DCI sobre o volume de compras externas necessário para manter os negócios, o diretor da Abics conta que ainda não é possível precisar quanto será permitido pelo governo. No entanto, o relatório mais recente da associação, publicado neste mês, aponta para um déficit entre 4,8 e 8,7 mil sacas de conilon no Brasil, consideradas tanto a demanda internacional quanto a doméstica.

“Nossa necessidade é de 340 mil sacas por mês. Importaríamos uma fatia disso em quantidades dosadas, mas que nos mantivessem em atividade competitiva”.

Arábica como opção 

Para a indústria, utilizar a commodity brasileira é extremamente mais vantajoso, principalmente em termos de logística e câmbio. Então, por que não substituir a variedade robusta pelo arábica, cultura em que o País é líder global em produção e exportação? “O conilon tem uma eficiência industrial que permite uma extração de 30% mais sólidos solúveis em relação ao arábica. Utilizar o arábica é inviável, diferente da indústria de torrefação”, esclarece o executivo.

A saída indicada pelo representante dos solúveis, aos torrefadores, de fato, está sendo aplicada. O diretor executivo da Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic), Nathan Herszkowicz, conta que neste momento de escassez no campo, a opção é mudar o chamado blend e alterar os percentuais na mistura das duas variedades.

As pequenas empresas foram as que mais se utilizaram desta alternativa, conscientes de que seriam necessários ajustes finos para não surpreender negativamente o paladar do consumidor. Neste segmento de menor porte, o cliente é o próprio brasileiro, um dos mais tradicionais do mundo.

“Na hora que você deixa de utilizar o conilon, você tende a mudar a característica da bebida e os consumidores estão adotando essa mudança”, comenta Herszkowicz. Para ele, essa alteração no paladar tem a possibilidade de cair no hábito do consumidor e, caso isso aconteça, surge a hipótese da indústria substituir permanentemente o blend, favorecendo o arábica, “o que não seria um problema para a indústria, mas sim para o produtor de conilon”, acrescenta o executivo.

Levantamento do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), divulgado ontem, mostra que as cotações do arábica iniciaram dezembro em queda, em resposta a especulações de leve melhora na disponibilidade global da safra 2016/2017. Com isso, o Indicador Cepea/Esalq do arábica posto na capital paulista fechou a R$ 511,50 por saca de 60 quilos. Já o robusta ficou em R$ 489,56 por saca, uma diferença financeira que, conforme o executivo da Abic, não inviabiliza alteração nos blends.

Do outro lado da cadeia, o presidente da Federação da Agricultura do Estado do Espírito Santo (Faes), Júlio Rocha, não acredita em prejuízo ou perda de espaço para o tipo arábica no processamento interno.

Quanto a entrada do grão do Vietnã, o representante dos agricultores é contra, devido a questões como manejo e qualidade da commodity do concorrente, posição que gera um desacordo com a indústria.

Além disso, para Rocha – e o restante da cadeia – um importante entrave, atualmente, é que o problema climático desse ano trará consequências para as lavouras de 2017.

Impactos da seca 

Nesta semana, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) divulgou relatório sobre as condições da safra cafeeira. Cerca de 98% das regiões produtivas do Espírito Santo tiveram chuvas abaixo da média. Pelo menos 59% dos produtores tiveram produtividade abaixo de 40 sacas por hectare, enquanto 7% colheram acima de 90 sacas por hectare.

O agrometeorologista da Rural Clima, Marco Antônio dos Santos, explica que as chuvas muito irregulares, aliada a altas temperaturas ou o inverso, como geadas, afetaram o desenvolvimento das lavouras de 2016. “Isso fez com que tivéssemos uma florada aquém do normal para uma safra de bianualidade alta”, enfatiza.

Para o ano que vem, já se sabia que a colheita viria em menor intensidade, pela alteração na bianualidade (um ano baixa e o seguinte maior), mas com os efeitos deste ano, a recuperação para o setor foi postergada para 2018. “No caso do arábica, muitos produtores ainda fizeram podas mais drásticas neste ano, para fazer safra zero no ano que vem e uma superssafra em 2018, uma prática natural no mercado”, acrescenta. Para o conilon, a expectativa segue negativa.

Outras notícias

Café solúvel: Abics manifesta repúdio e indignação com MP nº 1.227​

7 de junho de 2024

Associação Brasileira da Indústria de Café Solúvel — Abics Manifestação de repúdio e indignação com a MP nº 1.227 A Associação Brasileira da ...

Consumo de café solúvel cresce 5,3% no trimestre, para 5.235 toneladas

16 de abril de 2024

Setor vem em expansão desde 2016; avanço reflete investimentos em qualidade, diversidade, formação e capacitação de ‘IC Graders’ O consumo de ca...

Consumo de café solúvel cresce 5,2% em 2023 no Brasil, para o recorde de 24,2 mil t

25 de janeiro de 2024

Esse é o oitavo ano consecutivo em que o consumo avança no país; exportação do segmento teve evolução mais discreta, de 0,4%, chegando a 86,5 mil t...

Abics forma primeiros profissionais para avaliação sensorial do café solúvel

15 de junho de 2023

Associação realizou curso de capacitação de IC Graders, que formou provadores com base na metodologia global de análise sensorial do produto desenv...
plugins premium WordPress