Decisão sobre importação de café nas mãos de Blairo

VALOR ECONÔMICO, por Cristiano Zaia — O Ministério da Agricultura já tomou a decisão técnica de encaminhar dentro do governo a autorização para que o Brasil libere pela primeira vez na história importações de café robusta. Mas o martelo só será batido pelo ministro da Agricultura, Blairo Maggi, que volta hoje à rotina da Pasta, após uma viagem de 15 dias em missão comercial a Europa e Estados Unidos.

O Valor apurou junto a fontes do governo que a Pasta tende a recomendar novamente à Câmara de Comércio Exterior (Camex), ligada ao Ministério do Desenvolvimento, que autorize as importações brasileiras de café. A decisão preliminar do Ministério da Agricultura se baseia em levantamento da Conab, que apontou baixo volume dos estoques privados de café conilon no país – de 2,14 milhões de sacas.

A intenção é permitir a importação de até 1 milhão de sacas de café robusta pelo prazo de quatro meses (entre fevereiro e maio), atendendo solicitação das indústria de café solúvel e torrado, que afirma enfrentar escassez de café conilon no mercado em decorrência da quebra de safra, principalmente no Espírito Santo, devido à forte seca.

A origem provável do café seria o Vietnã, e esse volume de 1 milhão de sacas seria livre de tarifa de importação. Em tese, já existe uma TEC (Tarifa Externa Comum) de 10% sobre o café importado de qualquer país, mas o imposto nunca foi aplicado pois o Brasil não importa café. As importações, contudo, só ocorreriam após a análise de risco de pragas do café pela Secretaria de Defesa Agropecuária do ministério, processo que está em curso atualmente.

Segundo apurou a reportagem, o ministério também estuda a possibilidade de aplicar uma alíquota de 35% sobre o volume importado que ultrapassar a cota de 1 milhão de sacas. O secretário-executivo do ministério, Eumar Novacki, que estava como ministro da Agricultura interino até ontem, tentou dar um veredicto sobre a discussão, mas enfrentou pressão de entidades de produtores e parlamentares ligados a cafeicultores contrários à importação.

Ainda não há data para a próxima reunião da Camex, mas se Maggi decidir pela importação, uma reunião em caráter extraordinário deve ser marcada.

Ontem, em encontro com Novacki no ministério, o deputado Evair de Melo (PV-ES) e o senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES) voltaram a rejeitar a importação de café verde pelo Brasil. “Não aceitamos tarifa zero para importar café, muito menos trazer o grão do Vietnã. Se o ministério autorizar a importação, vamos recorrer ao Cade [Conselho Administrativo de Defesa Econômica] e aos fóruns fitossanitários competentes para apontar o risco de importarmos pragas”.

Foto: André Corrêa/Agência Senado

Outras notícias

Consumo de café solúvel cresce 5,3% no trimestre, para 5.235 toneladas

16 de abril de 2024

Setor vem em expansão desde 2016; avanço reflete investimentos em qualidade, diversidade, formação e capacitação de ‘IC Graders’ O consumo de ca...

Consumo de café solúvel cresce 5,2% em 2023 no Brasil, para o recorde de 24,2 mil t

25 de janeiro de 2024

Esse é o oitavo ano consecutivo em que o consumo avança no país; exportação do segmento teve evolução mais discreta, de 0,4%, chegando a 86,5 mil t...

Abics forma primeiros profissionais para avaliação sensorial do café solúvel

15 de junho de 2023

Associação realizou curso de capacitação de IC Graders, que formou provadores com base na metodologia global de análise sensorial do produto desenv...

Upping the game in Instant Coffee

1 de junho de 2023

By Vanessa L Facenda / Tea & Coffee Trade Journal — A new methodology, the first of its kind, assesses the quality of instant coffee byits attr...
plugins premium WordPress