Com nova marca de café solúvel, Brasil mira países árabes

‘Explore&Enjoy’ é o slogan criado pela associação do setor, que pretende elevar as exportações em 50% até 2025. Ações para aumentar vendas ao Oriente Médio e Norte da África já estão em andamento.

ANBA, por Thais Sousa

São Paulo – A Associação Brasileira de Café Solúvel (Abics) lançou este mês (foto acima) uma marca para promoção mundial do produto, a Explore&Enjoy – Instant Coffee Brazil. A marca foi criada como parte do convênio de cooperação técnica firmado em fevereiro de 2018 com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). O café solúvel é resultado da desidratação do grão torrado, processo que pode ser feito com diferentes métodos.

Entre os principais objetivos da nova marca está mostrar a liderança do País no setor. “O Brasil é o maior em produção e exportação de solúvel, e não tinha uma marca que mostrasse essa história”, disse Aguinaldo José de Lima, diretor de Relações Institucionais da Abics. Embora tenha sido criada também uma marca para o mercado interno, a Crie&Curta, o foco do trabalho é externo, com divulgação principalmente entre clientes que vendem direto para o consumidor. “Uma das ações [previstas] era construir uma marca de solúvel brasileira, porque vendemos para as maiores empresas que embalam em marcas próprias e distribuem no mercado de cada país”, explicou Lima.

As exportações de solúvel do Brasil em 2018 somaram 3,7 milhões de sacas de 60 quilos. Em 2019, a Abics tem expectativa de elevar em 5% o volume vendido no exterior. “Já está com 9,6% [de aumento] no primeiro semestre de 2019 [sobre o mesmo período do ano passado]”, afirmou Lima. “O planejamento estratégico maior, partindo de 2016, é de crescer em 50% o volume de exportação até 2025”, acrescentou.

Mercado Árabe

O mercado dos países árabes é um dos focos de trabalho da associação. “Temos um interesse no mercado árabe, que significa 5,8% das nossas exportações”, pontuou o diretor. O volume de café como um todo exportado aos países árabes no primeiro semestre de 2019 foi de 872.620 sacas, 53,9% a mais do que no mesmo período de 2018. A receita cambial chega a US$ 102 milhões.

A liderança entre os compradores do bloco é da Arábia Saudita. Em maio, por exemplo, o volume de solúvel exportado do Brasil para o país foi 19% maior do que no mesmo mês de 2018. Os sauditas historicamente lideram o mercado comprador de solúvel brasileiro na região, seguidos dos Emirados Árabes, Líbano, Catar e Djibuti.

“Há tendência de crescimento e estamos abrindo outra frente, a de negociações de barreiras tarifárias. Temos casos no mercado árabe, como do Djibuti, que tem tarifa de 13%. O Egito, embora tenha acordo com o Mercosul, com previsão de desgravação do café solúvel em até dez anos, ainda tem 24% [de taxa]”, pontuou Lima.

São 16 os países árabes que importam café solúvel brasileiro. Não faltam exemplos dos que possuem barreiras tarifárias. As Ilhas Comores aplicam tarifa de 20%. Iêmen, Marrocos e Sudão, de 25%, e a Argélia chega a 30%. Entre os concorrentes brasileiros estão países europeus como a Alemanha, Espanha e Holanda.

Para pleitear redução das tarifas, a associação se prepara para um trabalho nos bastidores. “Vamos ‘cutucar’ os governos do Brasil e dos países que nos interessam. [Por meio de] acordos com o Mercosul, ou bilaterais. Por exemplo: o que o Marrocos tem interesse em exportar e que o Brasil cobra uma tarifa? Haveria troca de produtos. O Brasil reduz a tarifa de dois produtos, e o Marrocos de um ou dois produtos”, explicou. Marrocos e Mercosul negociam um acordo de livre comércio, a exemplo do que foi assinado entre o bloco sul-americano e o Egito.

A Abics é associada à Câmara de Comércio Árabe Brasileira há três anos e no primeiro semestre de 2019 enviou representante ao Egito. “Fizemos visitas agendadas pela Câmara, pedindo para desgravar a tarifa de 24% mais rapidamente. Estivemos também na embaixada da Argélia [em Brasília] para saber quais produtos poderíamos fazer troca”, contou Lima. Outros países que estão no planejamento estratégico da Abics são Djibuti, Iraque, Marrocos e Sudão.

Hoje, 90% do produto brasileiro é destinado ao mercado externo. São sete as indústrias de solúvel que dominam a produção. Entre elas, a Nestlé (São Paulo), criadora do primeiro método de café solúvel, e a Cacique (Paraná e Espírito Santo), principal exportadora do Brasil. Veja, abaixo, vídeo que foi criado para o lançamento da marca, e que explica os processos para produção do solúvel.

Outras notícias

Café solúvel: Abics manifesta repúdio e indignação com MP nº 1.227​

7 de junho de 2024

Associação Brasileira da Indústria de Café Solúvel — Abics Manifestação de repúdio e indignação com a MP nº 1.227 A Associação Brasileira da ...

Consumo de café solúvel cresce 5,3% no trimestre, para 5.235 toneladas

16 de abril de 2024

Setor vem em expansão desde 2016; avanço reflete investimentos em qualidade, diversidade, formação e capacitação de ‘IC Graders’ O consumo de ca...

Consumo de café solúvel cresce 5,2% em 2023 no Brasil, para o recorde de 24,2 mil t

25 de janeiro de 2024

Esse é o oitavo ano consecutivo em que o consumo avança no país; exportação do segmento teve evolução mais discreta, de 0,4%, chegando a 86,5 mil t...

Abics forma primeiros profissionais para avaliação sensorial do café solúvel

15 de junho de 2023

Associação realizou curso de capacitação de IC Graders, que formou provadores com base na metodologia global de análise sensorial do produto desenv...
plugins premium WordPress