Café solúvel terá metodologia pioneira para avaliação de qualidade

Protocolo inovador vai ser lançado na Semana Internacional do Café (SIC) em novembro, em Belo Horizonte

O consumo de café solúvel cresce a taxas superiores a 2% ao ano no mundo, acima dos percentuais de crescimento apresentados pelo produto torrado e moído. O Brasil, como o maior produtor e exportador mundial de café verde, também lidera a produção e o embarque do solúvel. A atividade gera receitas de mais de R$ 1 bilhão no mercado doméstico e traz divisas de cerca de US$ 600 milhões com remessas que vão para mais de 100 países, totalizando volumes superiores a quatro milhões de sacas.

O solúvel é um gigante no setor mundial de café, já que cerca de 27,5% do consumo ocorre na forma de café instantâneo. No Brasil, o consumo do produto ainda é baixo, de 5%, embora esteja crescendo rapidamente, o que representa um grande potencial e um grande mercado a ser desenvolvido. Para aproveitar esse cenário e consolidar a posição de protagonismo do país, a Associação Brasileira da Indústria de Café Solúvel (Abics), em parceria com o Instituto de Tecnologia de Alimentos (ITAL) e, na divulgação mundial, com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil), desenvolveu uma metodologia inovadora para avaliação da qualidade do produto, a primeira a ser reconhecida internacionalmente ao solúvel.

“O Brasil tem tudo para ser um protagonista nesta metodologia, que vem sendo desenvolvida há mais de dois anos, com a participação de técnicos especializados em café solúvel e representantes de grandes marcas”, diz o diretor de Relações Institucionais da entidade, Aguinaldo Lima.

Reposicionamento do café solúvel no mercado

O documento técnico sobre a metodologia (White Paper), uma compilação de todo o trabalho feito durante o processo para se estabelecer a classificação do produto, será lançado durante a Semana Internacional do Café (SIC), que ocorrerá de 16 a 18 de novembro, em Belo Horizonte (MG).

“Uma metodologia para avaliar a qualidade do café solúvel torna-se ainda mais relevante num momento em que as indústrias lançam produtos de maior valor agregado, com diferentes características e para diferentes usos, o que inclui desde o preparo de cappuccinos, drinks e outros tipos de bebidas, cápsulas e até o uso culinário. Tudo isso somado à praticidade de se consumir o solúvel. Todo este processo vai possibilitar a criação de uma linguagem comum para avaliar estes cafés, criando referências para o setor, e marca um reposicionamento do solúvel no mercado”, afirma o diretor da Abics.

A metodologia é descritiva e avalia a intensidade de características presentes no café solúvel, diz Aline Garcia, Pesquisadora Científica do ITAL. A equipe do Instituto participou ativamente do desenvolvimento da metodologia de avaliação do café solúvel, juntamente com demais integrantes da indústria e especialistas. Aline sugeriu aplicar testes descritivos como o Sorting e CATA para refinar a metodologia e coordenou a interpretação destes resultados em algumas reuniões da equipe envolvida na criação da metodologia.

“O principal questionamento foi desenvolver uma metodologia que se comunique com o consumidor, ou seja, informar as características da bebida para que o consumidor possa fazer a sua escolha”, enfatiza a pesquisadora.

“É uma quebra de paradigma, uma forma para entender melhor o produto e, principalmente, a aplicação dele, em que descritores podem ser extremamente positivos para auxiliar a indústria na comunicação com seus clientes”, diz Eliana Relvas, especialista em avaliação sensorial e consultora da Abics, que coordena este projeto.

“A comunicação entre as indústrias (grandes exportadoras e fornecedoras das grandes marcas mundiais), consequentemente, serve de base para as empresas que têm contato com o consumidor, para que ele possa tomar sua decisão de compra”, adiciona Eliana.

Como funciona a metodologia pioneira?

Diferentemente da metodologia de avaliação do café torrado e moído, baseada em pontuações por notas, a metodologia do solúvel apresenta uma avaliação de intensidade de atributos, em uma escala de classificação das características sensoriais, que vai de zero a cinco, e uma classificação principal em três categorias: convencional, diferenciado ou de excelência. “Assim, a metodologia categoriza o solúvel e realça os seus atributos, o que é mais perceptível pelo consumidor em comparação com o sistema de notas”, afirma Aguinaldo Lima.

É possível reconhecer aromas e sabores no café solúvel

No processo de desenvolvimento da metodologia, foram feitas várias provas de amostras de café solúvel do Brasil e do exterior. Foi identificada a intensidade dos principais atributos percebidos nas provas, como, por exemplo, notas de especiarias, nozes, chocolate, frutas, entre outras. Elencou-se 15 atributos e, de acordo com sua intensidade, cada um tem seu peso dentro da avaliação. Os dados são inseridos dentro de um sistema e este peso é calculado por meio de um algoritmo, que vai indicar qual a categoria do produto.

“As amostras analisadas mostraram diferentes produtos, mas, ao mesmo tempo, interessantes e complexos”, analisa Eliana. “Os cafés solúveis de excelência normalmente são mais doces e ácidos, com poucos amargos ou sem amargos, e que podem ser degustados puros”, explica a especialista.

Também conforme ela, os diferenciados são mais complexos para descrição, pois podem conter diferentes notas, como de chocolate e especiarias, e podem ser consumidos com leite, em diferentes misturas, como drinks, ou outras bebidas geladas ou puros.

Já os convencionais são mais “potentes” no paladar, com um sabor mais forte e recomendados para o consumo com leite. Cada categoria tem a sua aplicabilidade.

Próximos passos

Um curso sobre a avaliação do produto também deverá ser administrado a todas as indústrias e cadeias que trabalham com o café solúvel no Brasil. A ideia é formar profissionais para “nivelar” tanto o conhecimento dos clientes nacionais quanto dos internacionais.

Este processo de avaliação, com a metodologia pioneira, também deverá incluir, futuramente, um selo voluntário indicando a qualidade do produto. “O projeto deve ter continuidade e a estimativa é que, a cada seis meses, seja feita uma calibração da análise das amostras, com a constante prova feita pela equipe, seja presencial ou on-line”, ressalta Eliana Relvas.

“A nova metodologia para avaliação do café solúvel reforçará o protagonismo do setor, que poderá se mostrar ao mundo de forma mais inteligente”, acredita o diretor da Abics.

Projeto Imagem – Abics e ApexBrasil

Para prestigiar a divulgação e o lançamento da metodologia, a Abics, em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil), realiza um trabalho de divulgação internacional, denominado “Projeto Imagem”. O projeto deve trazer jornalistas e formadores de opinião de importantes veículos de comunicação do exterior para participar do evento.

Este projeto engloba, também, a visita de líderes setoriais de organismos mundiais de café, como a National Coffee Association (NCA) e a Specialty Coffee Association (SCA), dos EUA, a All Japan Coffee Association (AJCA), a European Coffee Federation (ECF) e, ainda, o Coffee Quality Institute (CQI), entidade sem fins lucrativos que trabalha internacionalmente em projetos que visam melhorar a qualidade do café e a vida das pessoas envolvidas na sua produção.

SERVIÇO:

Semana Internacional do Café – SIC

16 a 18 de novembro de 2022

Expominas – Belo Horizonte

Inscrições: https://semanainternacionaldocafe.com.br/event/sic-2022

https://abics.com.br/

https://www.instagram.com/descubracafesoluvel/

https://www.facebook.com/Descubracafesoluvel.BR

https://www.instagram.com/elianarelvas/

Divulgação:

Assessoria de Imprensa ABICS/SIC 2022

Tempo de Comunicação – outubro/2022

Jorn. Resp: Eduardo Buitron (11) 9 8489.6063

edutempocom@uol.com.br

www.tempodecomunicacao.com.br

Assessoria de Imprensa Abics

Paulo André Kawasaki (61) 98114-6632

pauloandre@agenciap1.com.br

www.agenciap1.com.br

Outras notícias

Consumo de café solúvel cresce 5,2% em 2023 no Brasil, para o recorde de 24,2 mil t

25 de janeiro de 2024

Esse é o oitavo ano consecutivo em que o consumo avança no país; exportação do segmento teve evolução mais discreta, de 0,4%, chegando a 86,5 mil t...

Abics forma primeiros profissionais para avaliação sensorial do café solúvel

15 de junho de 2023

Associação realizou curso de capacitação de IC Graders, que formou provadores com base na metodologia global de análise sensorial do produto desenv...

Upping the game in Instant Coffee

1 de junho de 2023

By Vanessa L Facenda / Tea & Coffee Trade Journal — A new methodology, the first of its kind, assesses the quality of instant coffee byits attr...

Exportação de café solúvel do Brasil cresce 29% em abril e 1% no ano

12 de maio de 2023

Setor é o único da cafeicultura nacional a apresentar desempenho positivo no primeiro quadrimestre de 2023 As exportações brasileiras de café so...
plugins premium WordPress