A revolução do café solúvel no Brasil

* Por Eliana Relvas à Revista SUPERHIPER da Abras Brasil

O café solúvel vem sofrendo uma revolução no mundo e também no mercado interno, pois várias empresas ampliaram seus portfólios de produtos inserindo o café solúvel de alta qualidade como uma opção a mais para o consumo dessa bebida.

A descoberta do café solúvel é datada de 1901, por um químico japonês chamado Satori Kato, que criou um café para ser diluído em água e vendido na Exposição Mundial Panamericana. Foi a partir da crise de 1929 que no governo Getúlio Vargas, devido aos altos estoques de café, foi solicitado às empresas suíças que desenvolvessem uma maneira de consumir o produto de maneira segura e preservar a qualidade dos cafés por mais tempo.

Assim, o químico Max Morghenthaler desenvolveu o café solúvel em 1937 e, em um ano, se tornou um sucesso de vendas na Europa. Em 1939, com a Segunda Guerra Mundial, o consumo do café solúvel foi marcado por ser um produto consumido pelos soldados americanos, por ser de fácil preparo e por manter os soldados em alerta e acordados, e foi prontamente inserido nesse contexto mundial.

A partir de 1953, foi inaugurada a primeira fábrica de café solúvel no Brasil e, desde a década de 1960, o Brasil passou a ser o maior produtor e exportador de café solúvel do mundo, correspondendo ao 12º produto do agronegócio na balança comercial brasileira.

O café solúvel vem sofrendo uma revolução no mundo e também no mercado interno, pois várias empresas ampliaram seus portfólios de produtos inserindo o café solúvel de alta qualidade como uma opção a mais para o consumo dessa bebida. Várias cafeterias consideradas de “terceira onda” têm inserido sua marca nesta forma de consumo da bebida, tanto investindo em embalagens de alto padrão e levando a bebida para momentos de viagem e lazer, quanto para quem está em casa na pandemia, em virtude da praticidade.

Com esse novo perfil de venda e de consumidores, o café solúvel embarca numa outra fase dentro da categoria, com as descobertas de aromas e sabores tão complexos como os vinhos, ou mesmos os cafés torrados e moídos de origens e com descrições sensoriais incríveis.

Mas, como é feito o café solúvel? Para maior entendimento dessa bebida, tem um vídeo no site da Associação Brasileira da Indústria de Café Solúvel (Abics) que pode sintetizar o que acontece com o café até chegar à xícara: água e café em grãos, pressão e temperatura, mais nada. O título do vídeo é: Cafés Solúveis do Brasil – Infográfico Abics.

Para compreender melhor essa categoria foi criada uma metodologia exclusiva de avaliação sensorial deste café, considerando que não é igual ao café torrado e moído.

As categorias são classificadas como: convencionais, diferenciados e excelência.

Cafés convencionais são descritos como:

* Bom corpo

* Amargor e adstringência presentes

* Caramelização média e suave

* Acidez baixa

* Muito consumido com leite

* Muita potência no paladar

* Finalização mais longa e duradoura

Os cafés diferenciados:

* Notas mais carameladas

* Bom corpo

* Amargor e adstringência equilibrados

* Acidez média e agradável

* Caramelização presente e delicada

* Finalização doce e elegante

E os de excelência:

* Notas mais delicadas, pouco amargas, mais acidez e sabores herbáceos

* Pouco ou leve amargor

* Boa acidez

* Cafés frutados

* Caramelização positiva e agradável

* Café com bom equilíbrio

* Pós-prova: agradável, elegante e saborosa

É uma bebida de fácil preparo, cuja recomendação é o consumo de 1,5 g (ou uma colher de chá) para 50 ml de água quente. E cuidado, pois se ferver pode queimar a boca.

Esse produto traz uma versatilidade enorme e pode e deve ser usado na gastronomia, transformando doces e bolos em sobremesas mais gostosas e com maior complexidade de sabores.

Também convido você a acessar o vídeo intitulado de Manifesto Café Solúvel do Brasil, na página da Abics Café Solúvel do Brasil, para maior compreensão dessa categoria de café e poder prová-la em vários momentos de vida.

Bons cafés solúveis!

*Eliana Relvas é cafeóloga, avaliadora de qualidade, barista certificada internacionalmente, degustadora e profissional especializada em avaliação sensorial de café. Também é autora do livro Café com Design (Senac).

Outras notícias

Consumo de café solúvel cresce 5,3% no trimestre, para 5.235 toneladas

16 de abril de 2024

Setor vem em expansão desde 2016; avanço reflete investimentos em qualidade, diversidade, formação e capacitação de ‘IC Graders’ O consumo de ca...

Consumo de café solúvel cresce 5,2% em 2023 no Brasil, para o recorde de 24,2 mil t

25 de janeiro de 2024

Esse é o oitavo ano consecutivo em que o consumo avança no país; exportação do segmento teve evolução mais discreta, de 0,4%, chegando a 86,5 mil t...

Abics forma primeiros profissionais para avaliação sensorial do café solúvel

15 de junho de 2023

Associação realizou curso de capacitação de IC Graders, que formou provadores com base na metodologia global de análise sensorial do produto desenv...

Upping the game in Instant Coffee

1 de junho de 2023

By Vanessa L Facenda / Tea & Coffee Trade Journal — A new methodology, the first of its kind, assesses the quality of instant coffee byits attr...
plugins premium WordPress